domingo, 26 de fevereiro de 2017

FÉ SEM EXIBICIONISMO


Texto base: Mateus 6.1-18

A passagem lida se encontra dentro do conhecido Sermão do Monte, por meio do qual Jesus ensinou aos seus ouvintes como deve ser o caráter de um cidadão do Reino de Deus.
Esse sermão teve início no capítulo 5 e se prolongou até o capítulo 7, e está repleto de instruções do Mestre quanto à forma de viver de todo aquele que pertence a Deus. O cidadão do céu deve rejeitar o modo de vida que seja contrário à vontade de Deus e que esteja apenas em acordo com os padrões do mundo, porque ele não pertence a este mundo.
Trata-se, também, de um ensinamento maravilhoso de Jesus quanto ao correto sentido da Lei de Deus, de como ela deve ser vivida e interpretada, não conforme uma religiosidade vazia e superficial como aquela dos fariseus e mestres da Lei, mas nos moldes da vontade de Deus, compreendendo a essência dos mandamentos e vivendo uma vida plena na Presença do Altíssimo.
No texto que lemos Jesus ataca um ponto crucial que afetava a vida dos líderes religiosos daquela época, que é a hipocrisia. Jesus usou mais de uma vez a palavra “hipócritas”, referindo-se a tais pessoas. Essa palavra, na língua grega, indicava um ator que utilizava máscaras para representar personagens. Jesus estava dizendo, então, que aqueles homens apenas representavam o papel de religiosos piedosos, mas na verdade adoravam a si mesmos, eram egocêntricos e não almejavam glorificar a Deus com seus atos.
Embora os acontecimentos dessa passagem tenham se dado muitos séculos atrás, é fato que tudo o que Jesus apontou como conduta hipócrita continua ocorrendo nos dias atuais e com muita intensidade, atingindo não apenas líderes religiosos, mas diversas pessoas que afirmam serem seguidoras de Cristo.
Jesus procura ensinar como deve ser a conduta de um cristão autêntico, que vive em integridade, ou seja, que tem seu interior correspondendo ao exterior, aproximando-se mais do caráter de Cristo.
Vamos destacar alguns ensinamentos que Jesus ministrou nessa passagem, para que sejamos cristãos autênticos.

          1)      Não seja um crente exibicionista
Jesus falou de atitudes tomadas por pessoas com a finalidade de se exibirem, para serem vistas por outras pessoas. No versículo 1 Ele diz que os hipócritas exercem sua justiça “com o fim de serem vistos por eles”. O versículo 2 traz a expressão “para serem glorificados pelos homens”. Já o versículo 5 trata daqueles que fazem orações “para serem vistos dos homens”, enquanto o versículo 16 apresenta os que jejuam “com o fim de parecer aos homens que jejuam”. Enfim, tudo o que se faz tem como motivação aparecer para as pessoas, ser enaltecido, elogiado, praticamente adorado.
O Mestre Jesus condena esses comportamentos, porque as motivações são erradas, já que quem age assim quer glória para si e não para Deus.
Nos tempos antigos as pessoas se exibiam nas praças, nas sinagogas, ruas, mas hoje, com a modernidade, além dos templos e lugares externos, há novas maneiras de se mostrar, pois podemos usar a internet e as diversas redes sociais, como Facebook, Whatsapp, Instagram, etc., e isso tem sido feito de forma bem corriqueira por cristãos.
Hoje o exibicionismo virou uma febre, uma doença, e há pessoas que se expõe continuamente nas redes sociais. A intimidade é deixada de lado pela vontade de mostrar às pessoas o que estamos fazendo, o que compramos, os lugares que visitamos, as viagens realizadas, inclusive seu roteiro, etc.
Essa exposição traz perigos a nós e nossos familiares, pois podemos ser vítimas de pessoas mal intencionadas que conseguem informações valiosas nas redes sociais. Porém, da mesma forma que nossa vida pessoal deve ser preservada, não nos submetendo a tanta exposição, também nossa vida espiritual deve receber especial atenção de nossa parte para que não caiamos na tentação do exibicionismo.
Em Provérbios 10.19 aprendemos que “no muito falar não falta transgressão, mas o que modera os lábios é prudente”. Podemos dizer, com base nessa orientação bíblica, que não é prudente se expor demais, como tem ocorrido atualmente.
Assim, quando exercitamos nossa fé por meio de ajuda a pessoas, oração, jejum ou qualquer outra forma, isso não deve ser exposto com a finalidade de que as pessoas vejam o que estamos fazendo, pois isso é exibicionismo, é hipocrisia.
Não devemos querer que todos saibam o que fazemos, para que nos considerem verdadeiros cristãos. Não devemos usar redes sociais para mostrar como somos bons cristãos. Cabe a nós vivermos com autenticidade a nossa fé, sem pensar em promoção pessoal.
Não é raro ver pessoas postando no Facebook suas orações pessoais, expondo alguma situação que estão vivendo e pedindo a Deus uma providência. Todavia, Jesus disse que nossa conversa com o Pai deve ser reservada, apenas com Ele. Ninguém precisa saber o que estamos conversando com nosso Deus. Isso é diferente de pedir aos irmãos que orem por uma necessidade especial. Nossas orações são um diálogo nosso com o Pai Celeste, e interessam apenas a nós e a Deus, e a ninguém mais. O próprio Jesus se retirava para lugares onde pudesse ficar a sós com o Pai, e assim orava.
Cumpre-nos imitar o Mestre, que nunca quis atrair atenções sobre si, pelo contrário, muitas vezes até pedia que as pessoas por Ele beneficiadas não comentassem sobre as bênçãos que haviam recebido. Então, sejamos como Jesus.

           2)      Não queira uma glória que não é sua
Em seu ensino, Jesus mostra que os crentes exibicionistas não almejam outra coisa, senão sua própria glória.
Os que exercem sua justiça perante os homens querem ser declarados justos por esses mesmos homens;os que dão esmolas e ajudam necessitados querem ser aplaudidos pelas pessoas; os que oram para todos verem almejam ser reputados por pessoas como crentes piedosos e de oração; os que jejuam querem ser vistos como religiosos que sofrem por sua fé.
O problema é que o cristão não vive para si, e sim para Deus, e por meio de seu viver Deus é que deve ser glorificado, ou seja, é o Senhor que deve receber as honras, e não o servo.
Observemos o que escreveu Paulo:
“Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor.” (Romanos 14.7-8)
Deus não aceita esse tipo de atitude dos seus servos – querer glória para si mesmos -, pois Ele não divide a sua glória com ninguém, conforme lemos em Isaias 42.8:
“Eu sou o SENHOR, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura.”
Jesus disse que essas pessoas já receberam a sua recompensa, que é a glorificação apenas diante dos homens. Essa, e apenas essa, será a sua recompensa.
Jamais deve tomar nosso coração a vontade de recebermos uma glória que não é nossa, mas de Deus, pois estamos agindo como ladrões, pretendendo nos apropriar do que não nos pertence.
Na passagem que lemos, encontramos a “Oração do Pai Nosso”. E não é por acaso que essa oração está exatamente nesse lugar no Evangelho escrito por Mateus. Com a oração do Pai Nosso, Jesus ensina a reconhecer que Deus é Santo; que a Sua vontade deve ser prioridade em nossa vida; que dependemos dEle para termos nosso sustento; que Deus é misericordioso e requer que sejamos misericordiosos, perdoando a quem nos ofende; que Deus tem o poder de nos livrar das tentações e das ações do maligno; e que o reino, o poder e a glória pertencem a Ele por toda a eternidade.
Em outras palavras, a Oração do Pai Nosso nos ensina a dar a Deus a glória que Lhe é devida, colocando-nos em posição de servos humildes e dependentes da Graça Eterna.

           3)      Confie na Providência do Pai
No versículo 1, Jesus diz que aquele que obtém glória diante dos homens não receberá galardão de Deus. No versículo 4, o Mestre ensina que ao fazer caridade em secreto, receberemos de Deus a recompensa. Da mesma forma é dito nos versículos 6 e 18. Jesus é enfático ao dizer que o Pai, que vê em secreto, recompensará.
O cristão que conduz sua vida de maneira a glorificar a Deus, demonstrando no viver diário o testemunho da fé em Cristo, mas sem exibicionismo, jamais buscando exaltação pessoal, pode esperar confiantemente em Deus, pois suas obras estão sendo vistas pelo Pai, que concederá, no momento que julgar apropriado, a justa recompensa.
Deus sabe o que precisamos, sabe o que sofremos, sabe de nossa fidelidade.
Ele conhece nosso íntimo, vê em secreto, ou seja, enxerga o que está oculto em nosso coração, em nossa mente, e assim sabe quais são as nossas motivações e também nossas dificuldades e nossos anseios.
As recompensas que Deus pode dar superam infinitamente as recompensas que podemos receber dos homens. Deus faz o que nenhum ser humano pode fazer por nós.
Entretanto, Ele requer de nós humildade e fidelidade. Humildade para reconhecer que somente a Deus é devida a glória, e fidelidade para vivermos uma vida que glorifique a Deus.
Deus responde à oração, aceita a oferta, abençoa o caridoso, faz justiça ao justo.

CONCLUSÃO
Jesus quer que vivamos com sabedoria, como cidadãos do Reino que assimilaram seus ensinos e os colocam em prática no dia a dia.
Jesus quer servos comprometidos com o Reino, que realmente dediquem suas vidas ao Senhor, e não estejam interessados em glória para si mesmos, mas para Deus.

“Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (1Pe 4.11)

“Logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” (Gl 2.20)

Que Deus nos leve a sermos crentes humildes e fiéis, e não meros exibicionistas da fé.

José Vicente
15.01.2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário